Como criar ideias e soluções inovadoras em 5 fases usando técnicas de Design Thinking

O Design Thinking tem vindo a ganhar terreno no mundo empresarial e marcas como a Apple, a Google, a Samsung ou a General Electric viram nesta metodologia uma forma de desenvolver soluções inovadoras, criar novas experiências e pensar novos produtos. Ao contrário do pensamento analítico, que implica destruir ideias, o Design Thinking envolve a construção de ideias e soluções, através de cinco etapas.

© Ana Oliveira, Fábrica de Startups

© Ana Oliveira, Fábrica de Startups

O design tem uma função muito importante: comunicar e resolver problemas de forma criativa. A esta abordagem focada na solução, chamada Design Thinking, é uma tendência emergente, que está a levar cada vez mais empresas a “pensar como designers”, para resolverem problemas ou criarem novos produtos.

Para se chegar a uma solução através das técnicas de Design Thinking, é preciso passar por cinco etapas, de acordo com o modelo proposto pelo Instituto Hasso-Plattner, em Stanford:

1. Criar empatia

A empatia está no centro do Design Thinking e implica uma dimensão cognitiva, ou seja, a capacidade de olharmos para uma situação a partir da perspetiva de outra pessoa. Implica também uma dimensão afetiva, que passa pela capacidade de nos relacionarmos com uma pessoa e desenvolver um vínculo emocional com ela. Um dos principais objetivos desta fase é perceber as motivações e o comportamento dos utilizadores. Todos estes insights vão ajudar a encontrar uma solução final.

 

2. Definir o problema

O objetivo desta fase é analisar todas as perceções, observações e dados recolhidos na fase anterior e, com base nessa informação, definir o problema.

 

3. Gerar ideias

Esta é a fase em que se começam a gerar ideias. Com base nos conhecimentos previamente adquiridos, é possível começar a identificar soluções para o problema criado na fase anterior. Nesta etapa é importante gerar-se o máximo de soluções possíveis, que podem até nem corresponder à solução final. Implica pensar para além do óbvio e com criatividade.

 

4. Criar um protótipo

Nesta fase começam a produzir-se versões das soluções encontradas, para testar a sua viabilidade. O protótipo pode ser qualquer coisa, desde post-its a storyboards. O objetivo é tentar perceber como é que as pessoas vão responder à solução final.

 

5. Testar a solução

Esta é a última fase do processo de Design Thinking. Aqui, pretende-se perceber se a solução encontrada alcança ou não os objetivos iniciais e se responde ou não às necessidades dos utilizadores. A solução pode ser testada internamente ou junto de potenciais clientes. O importante é produzir um feedback que seja claro e que permita corrigir erros, antes de se lançar a solução.